Poesia-Soneto XV de William Shakespeare

Quando penso em tudo e tudo quanto cresce
Só pode ser perfeito um rápido  momento;
Que o mundo só ilusões,teatral,nos oferece,
Das quais o astral poder é secreto fomento;
Quando na evolução do homem,como da planta,
Vejo avanço e parada,a ação do mesmo ambiente:
Agora a vida exulta,agora se quebranta,
E até o maior primor termina obscuramente...
O conceito que formo,então,dessa ocorrência
Se ajusta em vós,em cuja excelsa juventude,
O Tempo destruidor se alia à Decadência,
Para quem em feia noite a vida vos transmude.
E,em guerra com o Tempo,amando-vos,decerto,
O que ele de vós tira eu novamente enxerto.

(tradução de Jerónimo de Aquino)

2 comentários:

FOXX

20 de julho de 2010 11:50
Permalink this comment

1

disse...

uia!
mas sinceramente não gosto de Shakespeare...

Paulo Braccini

20 de julho de 2010 15:09
Permalink this comment

1

disse...

amo a sensibilidade e a perspectiva filosófica de Shakespeare ...

bjux

;-)