Televisão-"Queer as Folk"-a série

             Quando estreou em 2000,nos EUA e no Canadá,"Queer as folk" quebrou muitos tabus.Foi a primeira série de televisão a apresentar cenas tórridas de beijos e sexo simulado entre homens.Mas muito mais que isso,foi a primeira série que mostrou um grupo de amigos gays sem qualquer tipo de estereótipo,sem apelar para a caricatura,seja ela a do gay "macho" ou a "bichinha",e mostrou gays com filhos,enfim-homens e mulheres gays e felizes como qualquer pessoa.Os amigos de Pittsburgh:Brian,Michael,Justin,Emmett,Ted,Ben e tantos outros outros,são seres humanos que são homens gays em uma sociedade muitas vezes homofóbica e cruel.Os criadores de Queer as folk tampouco poupam a comunidade gay de críticas:a perseguição tantas vezes obsessiva do corpo ideal,o uso abusivo de drogas recreativas, ilusão deletéria da "eterna juventude",o preconceito contra os mais velhos ou os que não se encaixem no parâmetro corpão+carão.
Mas acima de tudo,o dia a dia dos personagens é  mostrado.E é o como o dia a dia de qualquer pessoa,com suas frustações,suas pequenas alegrias e vitórias,suas mesquinharias,seus mal-entendidos.
            Brian Kinney(Gale Harold) é um publicitário de 29 anos,belo como um Apolo,uma 'máquina de sexo',que nunca fica com nenhum parceiro mais de uma vez.Sua suposta arrogância esconde uma infância difícil em um lar desestruturado.Seu ego monumental,sua auto-confiança quase maníaca,convivem com uma generosidade que confunde e desarma.É no primeiro episódio da série que conhece Justin Taylor(Randy Harrison),um garoto de 17 anos que está saindo do armário.Justin,inteligente e sensível se apaixona loucamente por Brian,e pelas cinco temporadas seguimos os altos e baixos de sua história de amor.
Michael(Hal Sparks) é o melhor amigo de Brian desde a infância,embora sejam o oposto um do outro.Michael procura um grande amor e vai encontrar mais de um.Emmett(Peter Paige) é o garoto gay do Mississipi que se muda para Pittsburgh para se livrar do preconceito e para tentar um lugar ao sol-é o amigo atencioso,aquele que tira a roupa do corpo para nos dar.Ted Schmidt(Scott Lowell) é um contador gente boa,mas com tendência à depressão e com baixa auto-estima.Ben(Robert Gant),é o professor universitário por quem Michael se apaixona e se casa.Soropositivo,tenta viver da melhor forma possível.Melanie(Michelle Clunie) e Lindsay(Thea Gill) tentam manter acesa a chama de seu relacionamento em meio às surpresas da vida.
          Em um Brasil em que novelas de televisão criam personagens gays que mais parecem personagens assépticos-pessoas que não teem sexualidade(nem sequer se beijam!),ou gays estereotipados,uma série como Queer as Folk parece estar a milhares de anos luz de distância.A velha e esfarrapadíssima desculpa de que "a sociedade não está preparada" é de fazer chorar.Nos EUA,a religião evangélica é igualmente(ou até mais) forte.Mas os americanos já entenderam que a sociedade não é composta de compartimentos estanques,que os gays merecem tanto respeito quanto qualquer outro grupo social.Aqui,aguardamos.
Queer as Folk é uma série que vai fundo na psicologia das personagens,ao não evitar assuntos como sexo e traição,masa também ao provar que todos os seres humanos são no fundo,muito parecidos.
E eu me lembro  disso ao recordar uma certa noite de 1984,quando um certo garoto de 18 anos entrou pela primeira vez em um clube gay e maravilhado pensou:então existe mesmo-e aqui ninguém é "esquisito".E ao som de "Borderline",se juntou a sua outra família...
          A relembrar sempre a cena final da série ao som de "Proud",inesquecível pelo simbolismo.Uma das melhores séries da história da tv.



Proud

I look into the window of my mind
Reflections of the fears I know I've left behind
I step out of the ordinary
I can feel my soul ascending
I am on my way
Can't stop me now
And you can do the same
What have you done today to make you feel proud?
It's never too late to try
What have you done today to make you feel proud?
You could be so many people
If you make that break for freedom
What have you done today to make you feel proud?
Still so many answers I don't know
Realise that to question is how we grow
So I step out of the ordinary
I can feel my soul ascending
I am on my way
Can't stop me now
And you can do the same
What have you done today to make you feel proud?
It's never too late to try
What have you done today to make you feel proud?
You could be so many people
If you make that break for freedom
What have you done today to make you feel proud?
We need a change
Do it today
I can feel my spirit rising
We need a change
So do it today
'Cause I can see a clear horizon
What have you done today to make you feel proud?
So what have you done today to make you feel proud?
'Cause you could be so many people
If you make that break for freedom
So what have you done today to make you feel proud?
What have you done today to make you feel proud?

Cinema-Harry Potter e as Relíquias da Morte,Parte 2

            Desde que surgiu Harry Potter pelas mãos geniais de J.K.Rowling ,não tem também cessado de crescer uma certa patrulha ideológica(?),que tenta desmerecer o trabalho da escritora inglesa.Essa patrulha cresce e vive entre certos ressentidos das redações dos grandes jornais e claro,entre os papais-sabem-tudo acadêmicos(o americano Allan Bloom chamou a saga de Harry Potter de "idiotice sistemática").Ao contrário do que esses pensam,creio que a saga de Harry Potter é uma das grandes obras-primas da literatura juvenil e de fantasia.E ao contrário de certas celebridades e artistas de quinta que ganham fortunas,o fato de que Rowling tem uma fortuna calculada em US1 bi é totalmente justificada aqui:o talento mereceu cada centavo.
             Os dois primeiros filmes da saga;"A Pedra Filosofal"(2001) e "A Câmera Secreta"(2002) são ainda um tanto quanto ingênuos(Harry tem 12,13 anos então).Foi a partir do ótimo "O Prisioneiro de Azkaban"(2004),que seguindo a tendência dos livros,os filmes foram se tornando mais maduros,menos infantis,e os diretores começaram a ver que Harry Potter poderia ser também sinal de um excelente cinema.Foi em 2005 que foi lançado o "Cálice de Fogo",até ontem,meu filme preferido da série.Com a definitiva volta de Voldemort,a história ganhou contornos mais escuros,mais trágicos."A Ordem da Fênix"(2007) mostrava a definitiva intromissão do "fascismo bruxo" no  mundo da magia e o começo de uma resistência a esse poder-destaque para Imelda Staunton como a pavorosa e grotesca Dolores Umbridge.A verdadeira história do Lorde das trevas é contada em "O Príncipe Mestiço"(2009),assim como ficamos sabendo das horcruxes,os objetos nos quais Voldemort escondeu parte de sua alma,para que se tornasse imortal.
"As Relíquias da Morte,parte 1 é o "road-movie " de Harry,Hermione e Ron depois da tomada de poder de Voldemort e dos comensais da morte.Definitivamente,o filme se torna escuro,denso,angustiante mesmo:o medo paira no ar.
              "As Relíquias da Morte,parte 2" foi um dos filmes mais aguardados dos últimos tempos.E prova que os últimos filmes não são,definitivamente para crianças.Ontem fui assistir ao filme em 3-D em uma sala lotada e ansiosa,não só de adolescentes e jovens,mas também de adultos.E o filme cumpre plenamente sua promessa de obra prima.O tom épico,monumental mesmo,a fotografia alternando luz e sombra,a edição ao mesmo tempo ágil e intimista e as interpretações do elenco tornam o último Harry Potter um biscoito dos mais finos.
O mundo bruxo tornou-se uma ditadura sangrenta,um fascismo incidioso domina tudo,a raça "inferior" os bruxos nascidos trouxas,são condenados à tortura atroz a à morte,a sociedade é controlada pelo terror.Todos os pesadelos do mundo moderno,enfim,da história humana:a coisificação do ser humano,a opressão de pessoas ditas "inferiores",o desprezo pela diferença,a escravidão e a colonização da mente humana estão presentes no belo filme de David Yates.
A fina flor do teatro inglês marca presença(pena que Kate Winslet esnobou o filme-quem perdeu foi ela).Helena Bonham-Carter(Belatriz Lestrange) arrasa em grande estilo como sempre.Maggie Smith(Minerva) mostra porque é uma atriz de primeiro time.Mas é Alan Rickman(Snape) que dá um show.Seu Severo Snape é mais que nunca atormentado e infeliz.Em uma sequência belíssima,somos levados à infância de Snape e seu grande amor pela mãe de Harry,Lilian Potter.Rickman deveria ser indicado ao Oscar,no mínimo.
E o estupendo Ralph Fiennes faz um Voldemort totalmente operístico,intenso,de uma intensidade ao mesmo tempo eloquente e silenciosa.Destaque também para Daniel Radcliffe que tornou-se um ator de verdade,capaz de nos passar a angústia profunda de Harry Potter,assim como sua coragem e determinação.
Destacamos a sequência do Gringots,e a batalha de Hogwarts,com seus desdobramentos emocionais tão profundos.
Um filme que vai ficar,um filme para amar.

Poesia-"O mundo que venci deu-me um amor" de Mário Faustino(1930-1962)

            O mundo que venci deu-me um amor
            Um troféu perigoso,este cavalo
            Carregado de infantes couraçados.
            O mundo que venci deu-me um amor
            Alado,galopando em céus irados,
            Por cima de qualquer mundo de credo,
            Por cima de qualquer fosso de sexo.
            O mundo que venci deu-me um amor
            Amor feito de insulto e pranto e riso,
            Amor que força a porta dos infernos,
            Amor que galga o cume ao paraíso.
            Amor que dorme e treme.Que desperta
            E torna contra mim,e me devora
            E me rumina em cantos de vitória...  

O fabuloso Mário Faustino continua um dos melhores poetas do Brasil.Assim como continua restrito a uma "elite" intelectual.Homofobia de certos círculos acadêmicos?Ignorância pura e simples?Talvez seja porque Faustino(assim como o sublime Alexei Bueno) não se enquadre nos parâmetros anti-intelectuais de uma auto denominada "vanguarda" literária brasileira que tem por hábito incensar mediocridades.
Mas a poesia do piauiense Mário Faustino está e é cada vez mais lida.Um dos nossos maiores poetas,sem mais nem menos.

                                                                       

Capital e humanidade-as lições da Europa

            Confesso que do conjunto de expressões criadas pela turma do "mercado",alguns até me horrorizam como "capital humano".A linguagem metafórica dos "Departamentos de Relações Humanas" refletem muito bem o momento que passa boa parte da humanidade-momento esse bem longe das metáforas.
A atual crise sistêmica,baseada em uma escala exponencial de especulação e precarização do trabalho(e consequentemente dos salários) consome o mundo.E continuamos a ouvir os arautos da entidade mercado gritarem:"mais flexibilização das leis trabalhistas","menos direitos sociais"!Assistimos agora na Europa,à luta do povo contra os governos aliados do capital transnacional.Irlanda,Grécia,Portugal (e agora a Itália)passam por arrocho histórico,com diminuição drástica dos direitos sociais e sua rede de proteção,obedecendo aos ditames do Banco Central Europeu e do famigerado FMI.Desses países,a Grécia é o que mais sofre-há diminuição de salários,do salário-desemprego,corte de aposentadorias,enfim todas as mazelas preconizadas pelo "mercado" para que meia dúzia de bancos "não percam dinheiro".O sistema de amparo social que o povo europeu conseguiu após a segunda guerra mundial foi algo sem precedentes na história da humanidade e creio que logicamente ,não vão querer entregar tudo ao "mercado" em um piscar de olhos.A luta está só começando,e essa luta dos europeus tem que servir de lição a todos nós-não nos deixemos enganar.A turminha do mercado financeiro não está nem um pouco interessada no ser humano em si,e sim,no que ele venha a valer ou consumir,simplesmente.É preciso não nos deixarmos enganar pela linguagem cifrada,repleta de metáforas óbvias e toscas da "banca".A demonização de toda e qualquer crítica a esse estado de coisas já é bastante conhecida.
E no Brasil,o que temos a construir ainda é uma rede mais ampla de proteção social(ao contrário do que dizem os adeptos do "vale-tudo" financeiro)-semana de 40 horas,aumento do tempo de seguro-desemprego,do salário real,melhoria do sistema de sáude pública.O estado do bem estar social nunca foi uma utopia,é a evolução mesma da humanidade.E nisso acredito firmemente."E la nave va"...Vamos ver se a humanidade reagirá à altura com os querem destrui-la.

Enquanto isso no Brasil...

TV-Roma,a série(2005)

            A Roma de Hollywood sempre mostrou uma Roma ideal do que a cidade real,o Império real.Os romanos nos filmes e séries americanos costumam ser muito mais uma espécie de "alter ego" dos cidadãos do "Império Americano".A cidade grandiosa com seus templos de mármore branco,os fóruns monumentais,os palácios imperiais,a vasta multidão cosmopolita e o "pão e circo" cotidianos,nunca é mostrada em seu lado sinistro,obscuro-o máximo que nos é permitido ver são as atrozes lutas e penas da arena.Acrescentemos aos filmes pitadas de aventura,melodrama familiar,romance a sexo,e pronto,temos um filme sobre Roma à moda americana.
            Grandes filmes foram feitos assim:"Júlio Cesar"(1953-de Joseph Mankiewicz),"A Queda do Império Romano"(1964-de Anthony Mann),"Gladiador"(2000-de Ridley Scott) assim como séries tão intensas e de alto nível como "Eu,Claúdio"(BBC-1976) e "Roma"(HBO-2005)."Júlio César",baseado na peça de Shakespeare(e bastante fiel a ela),é uma obra prima do cinema com interpretações soberbas(e hoje raramente vistas)-um fascinante estudo do poder e sua embriaguez assim como da vingança."Eu,Cláudio",considerada por muitos a melhor série histórica de todos os tempos,é baseada no livro já clássico de Robert Graves-"Eu,Cláudio,Imperador"Estrelada por atores ingleses e irlandeses shakesperianos a série hoje é cult total.
              Todos esses filmes e séries se voltam para a análise da voracidade da luta pelo poder,a corrosão implacável que traz qualquer poder "absoluto"e as consequências trágicas da perda do controle sobre si mesmo.Mas "Roma" trouxe além disso,a visão de uma Roma que jazia oculta,aquela dos "humilhados e ofendidos"",de sua "não-vida",como meras marionetes de um jogo de poder que apenas queria se utilizar deles e depois descarta-los na primeira oportunidade.A trama se inicia em 49 A.C. no final da campanha de Júlio César na Gália e narra a vida de dois legionários:Lucius Vorenus(Kevin McKidd) e Titus Pullo(Kevin Stevenson).A vida dos dois legionários se entrelaça nos acontecimentos que mudaram a vida de Roma e do mundo de então.
               A reconstrução da Roma dos "desafortunados" é no mínimo,de um impressionante detalhismo.Todas as pequenas misérias cotidianas são vistas-as ruas imundas,os prédios decrépitos,os becos escuros,as "ínsulas" paupérrimas da cidade com seus habitantes aglomerados como ratos.E a criminalidade,a venalidade dos poderosos,a prostituição onipresente,a violência endêmica.E tudo isso magnificamente contrastado com as magníficas casas da nobreza romana com seu enorme grupo de escravos,que tratados como "coisas",assistiam a tudo(tudo mesmo) como se  fossem uma pilastra da casa.
              Acompanhando o fim da República Romana (com a ascensão de César) e o início do Império com Otávio Augusto,"Roma" é um melodrama assumido e de primeira,com cenários fabulosos(filmado principalmente na Cinecittá-Roma),ótimos diálogos,direção geral firme de Michael Apted e interpretações maravilhosas do elenco,em sua maioria anglo-irlandês-destacando o show à parte de Ray Stevenson (Titus Pullo),Polly Walker(Atia),os fenomenais David Bamber(Cícero) e Lindsay Duncan(Servilia)e o ótimo Max Pirkis,que aos 14 anos arrasa como o jovem Otávio Augustus.Uma ótima opção para quem se interessa por Roma e por sua história.

Recomeçando

      Confesso que sempre tive dúvidas em relação ao quanto as pessoas gostariam de ler posts sobre livros que nem muitos leram e sobre filmes que poucos viram.Mas descobri,maravilhado que sim,muitos sempre nos visitaram e generosamente fizeram questão de deixar suas impressões.
Nos últimos seis meses(ou mais) este blog meio que foi abandonado,por motivos pessoais-(há momentos na vida que precisamos nos focar em prioridades).Mas enfim,voltamos à blogosfera(que em suma nunca abandonamos) com prazer e muita disposição.Vocês podem ver que o "agora" sumiu do nome que agora,com domínio próprio passa a ser "www.minhaliteratura.net".
Obtrigado a todos que nesses três anos nos teem dado força e nos prestigiado.Beijo grande.

Enquanto isso:O assédio do FMI ao Brasil em 2002 e FHC.


do blog do Artur,presidente da CUT
 arte de Bira e Cláudia.

Blog novo

Visitem meu novo blog no tumblr  http://alucinatorio.tumblr.com/
Esse aqui também continua.
Abraços.

Elizabeth Taylor(1932-2011)-In Memoriam


 Elizabeth Taylor e Montgomery Clift(1930-1966), seu melhor amigo(ela dizia que nunca se consolaria da morte dele),nas filmagens do fantástico e maravilhoso clássico "Um Lugar ao sol"(1951),de George Stevens.
Liz não era só uma das mulheres mais lindas do século que passou,mas uma grande atriz e uma lutadora pelos direitos GLBT e pela pesquisa da Aids.Grande alma.Que descanse em paz.

Enquanto isso no Brasil...

                                          imagem daqui
Imagem

Não é o fim

Caros amigos,esse blog não acabou.Retomaremos em breve.Obrigado a todos.

Verso obsessivo

"From the contagion of the world's slows stain
He is secure,and now can never mourn
A heart grown cold,a head grown grey in vain"
(Shelley-Adonais-XI)

Aqui,o grande Percy Shelley(1792-1822) fala do maior poeta inglês do século XIX,John Keats(1795-1821).Quando Keats morreu de tuberculose aos 26 anos,pobre e amargurado em Roma(nada de novo no mundo,infelizmente),Shelley escreveu a elegia Adonais em homenagem a ele,a quem amava e admirava.
Esses versos sempre me obsecaram por sua beleza e pelo uso preciso das palavras,o modo impressionante de falar da maturidade.Tentei traduzir,fiz vários esboços,mas cheguei à conclusão que não dá.Está além das palavras.Um dos grandes versos da poesia romântica inglesa do século XIX.Em poucas palavras,um retrato amargo da perda dos ideais da juventude.

                                                                    John Keats

Música-"He is sailing"-Vangelis




Maravilhosa canção-mais um clássico absoluto dos anos 80.

Out of the mist into tropical splendour
With garlands of flowers
In Majestical fusion we see tonight
On to this sacred reunion of pleasure
They row as a rhythm, ten thousands of millions
They touch the Light
King is sailing they say
King is sailing we hear
King is sailing they say
King is sailing this day of days of days
Cocasaya Tay Toca
(Printed lyrics show the following which is left out entirely in recording)
[ Drums beating faster thru' harder excitement
[ The wings bring the Angels
[ They singing of Truth that this day has come
[
[ Older than oldest religions have promised
[ A promise is kept on this Golden Reflection
[ His Kingdom Come
King is coming they sing
King is coming they know
King is coming we sing
King is coming we know Kotao Kotao Kotao
All the souls he to touch
All the souls he to touch
All the souls he to touch
All the millions of souls he to touch, he to touch
Cocasaya Kotao Kotao
Heaven set sail in His ship full of light
He trancends all our love
To caress all our fears
In a moment Divine
Weakest and Strongest will dance in delight
All illuminous our Saviour they bringing him forth
All will sing to the Night
Our true Kingdom come
Our true Kingdom come
Our true Kingdom come
Our true Kingdom come
Higher, Than Higher, Than Higher, Than Higher, Than Higher

Nossa casa no Universo


Via Láctea-fonte:telescópio Spitzer/WikiCommons - O Sistema Solar fica à extrema direita da foto,no chamado "Braço de Órion".

Um retrato da hipocrisia

"Pare de se contorcer!Você está oprimindo nossa liberdade religiosa!"
Na cruz-Direitos civis LGBT.
Retrato muito realista e contundente da hipocrisia religiosa no Brasil que se esquece que temos uma constituição democrática que diz:"Todos são iguais perante a lei".O Brasil não será um país plenamente democrático com cidadãos 'de primeira e de segunda'.E só relembrando,o Brasil é uma democracia laica-nenhum religião pode prevalecer sobre o direito do cidadão.

Fonte-Alexandre Ivo-Facebook

O mocinho e o vilão-Zuckerberg e Assange


Assange-"Eu disponibilizo informação sobre corporações para você de graça e sou o vilão"
Zuckerberg-"Eu repasso suas informações privadas às corporações por dinheiro e sou 'O homem do ano' "
Como diria o grande Renato Russo,esse é o nosso mundo.